terça-feira, 22 de julho de 2014

GERGELIM: A SEMENTE DA SAÚDE

O gergelim (Sesamum indicum L.) tem sua origem no continente africano e asiático. O gergelim foi introduzido no Brasil pelos portugueses e, apesar de ser uma cultura de 
grande valor econômico, seu cultivo é ainda bastante restrito a pequenas áreas. O gergelim é uma oleaginosa e é considerado uma das culturas mais antigas, apresentando bom nível de resistência à seca e de fácil cultivo. No Brasil, o gergelim é cultivado principalmente no Nordeste do país – Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Bahia – e no Centro-Sul. Em São Paulo, o gergelim é plantado a mais de 40 anos para a produção de óleo e uso em indústrias de produtos doces, em restaurantes tradicionais e de comida natural. As sementes de gergelim apresentam alto teor de óleo,  de 44 a 58% do conteúdo da semente. Este óleo tem a presença de compostos fenólicos como o sesamol e tocoferóis. Os compostos fenólicos são antioxidantes que diminuem os danos causados pelos radicais livres na pele, retardando o envelhecimento, prevenindo alguns tipos de câncer e ainda tem efeito significativo na diminuição da pressão arterial. O gergelim é rico em como: cálcio, ferro, fósforo, potássio, magnésio, zinco e selênio. O principal micronutriente é o cálcio, portanto comer 1 colher de sopa de gergelim torrado (colocar no forno até dourar) todo dia ajuda a prevenir problemas ósseos como a osteoporose. É uma boa fonte de proteínas e gorduras boas. Além disso, é rico em fibras. 

terça-feira, 1 de julho de 2014



Batata-salsa




A mandioquinha-salsa, também conhecida por batata-baroa, batata-salsa ou cenoura amarela é uma hortaliça rica em fósforo, betacaroteno (no caso da amarela) e niacina, sendo também uma importante fonte de energia em função do seu alto teor de carboidratos. Devido a fácil digestibilidade de seu amido, é amplamente recomendada para alimentação infantil, de pessoas idosas e convalescentes (doentes). É uma raiz tuberosa originária dos países andinos (Equador-Peru), introduzida no Brasil no início deste século, provavelmente a partir da Colômbia. Pertence à família Apiácea, como a cenoura, a salsa, o coentro, o anis, o salsão ou aipo e o funcho. A mandioquinha-salsa é uma planta perene, mas tem colheita realizada no fim do primeiro ciclo de cultivo. A parte comestível é composta de seis ou mais raízes tuberosas, que podem ser alongadas, cilíndricas ou cônicas, com até 20 centímetros de comprimento. A coloração vai do branco ao amarelo-intenso, que é mais benéfico para a saúde.

terça-feira, 24 de junho de 2014








Antes da prática de qualquer atividade física deve-se alimentar o corpo com carboidratos complexos, ou seja, aqueles que demoram mais tempo para serem digeridos. São opções saudáveis de carboidratos complexos no pré-treino: batata doce, pão integral com mel, barra de cereais sem chocolate. Para depois da atividade o ideal é consumir um carboidrato saudável acompanhado de uma proteína saudável, visto que a proteína precisa de energia para formar ou definir o músculo. Opções: pão integral com peito de peru e queijo branco, iogurte com farelo de aveia, ovo cozido e batata doce, leite desnatado com granola, vitamina de banana com farelo de aveia. A hidratação deve ser regular e ser composta basicamente de água. Então, para manter um peso adequado não há segredos, basta exercitar-se, alimentar-se equilibradamente, dormir bem e beber bastante água.


quinta-feira, 12 de junho de 2014

Nutrição na gestação



A alimentação adequada, especialmente durante a gravidez, representa importantes benefícios para à saúde da mãe e do bebê. O estado nutricional da mulher durante este período traz importantes repercussões à sua saúde e à sua capacidade de dar a luz e amamentar uma criança saudável. Comer equilibradamente, beber bastante água e fazer atividade física regularmente é essencial para uma gravidez saudável, com ganho de peso adequado para a mulher e para a criança. A atividade física deve ser avaliada e liberada pelo médico obstetra. Seguir uma orientação nutricional é fundamental para saber a quantidade de calorias e de nutrientes que podem ser ingeridos no dia. 


terça-feira, 27 de maio de 2014

O Inverno e a Alimentação




    Os cuidados com a alimentação são sempre importantes independentes da época do ano para garantir a saúde e o bem-estar. A preferência por hortaliças refogadas é uma boa opção, já que o consumo da salada diminui no inverno e tomar bebidas quentes também, como chá de ervas ou leite com cacau e canela, que aquecem e são nutritivas e saborosas. 
    Sopas leves também são ótimas opções para o friozinho. Evite guloseimas, doces em excesso, frituras. Nada melhor que o bom e velho arroz e feijão, salada, carne e laranja: prato completo e muito nutritivo.
    Na hora de fazer as compras não é bom ir ao supermercado com fome, pois corre-se o risco de comprar muitas coisas que não devem ser consumidas. Na hora de comer, sempre se pergunte se está realmente com fome ou se isso é uma compulsão ou gula. As frutas cozidas também são uma ótima opção, confira a receita abaixo:


Banana no microondas
Tempo de preparo: 03min
Rendimento: 1 porção
Ingredientes:
2 bananas nanicas
Canela em pó
Modo de preparo:
Em um refratário disponha as bananas com casca.
Leve ao microondas em potência alta por 1 minuto e 15 segundos (há variação de fornos), o importante é que elas cozinhem, mas não muito.
Feito isso, retire as cascas ainda quente
Polvilhe a canela a gosto.

   No inverno, também é muito importante a água e a atividade física regular. Se não tem como frequentar uma academia e se for muito frio para caminhar na rua, a dica é caminhar na garagem ou dentro de casa mesmo, subir escadas, dançar, pular corda, correr. Meia hora de atividade todo dia melhora o desempenho físico e de raciocínio da pessoa.


     Portanto, enfrente o inverno e invista na sua saúde!


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Benefícios nutricionais da batata doce

A batata-doce é uma raiz tuberosa, muito mais desenvolvida do que os tubérculos e capaz de armazenar muito mais nutrientes, como vitaminas C e E, vitaminas do complexo B, cálcio, magnésio, ferro, fósforo, potássio e betacaroteno. Além de mais nutritiva, a batata-doce é um vegetal rústico e de cultivo fácil e barato.
Existem quatro tipos de batata-doce no Brasil, classificados segundo a cor da polpa: 1) a batata-branca (também denominada angola ou terra-nova) não é muito doce e apresenta polpa bem seca; 2) a batata-amarela também apresenta polpa seca, embora mais adocicada; 3) a batata-roxa apresenta casca e polpa dessa cor, sendo a mais apreciada pelo sabor e pelo aroma; 4) a batata-doce-avermelhada (conhecida pelos nordestinos como coração-magoado) tem casca parda e polpa amarela, com veios avermelhados ou mesmo roxos.

Enquanto a coloração amarelada deve-se à presença de betacaroteno, que possui ação antioxidante e previne certos tipos de câncer, a coloração arroxeada é formada pela deposição de antocianinas, pigmentos naturais com ação igualmente antioxidante, encontrados, por exemplo, também nas frutas vermelhas e na casca da jabuticaba.

A batata-doce, é rica em carboidratos complexos de baixo índice glicêmico que, digeridos e absorvidos lentamente, estimulam pouco a liberação de insulina, reduzindo o risco de diabetes, obesidade e, ainda, controlando o apetite.

O uso da batata-doce em preparações típicas das festas juninas e em combinação com mel, canela, coco e noz-moscada é bem conhecido. Porém, ela pode entrar em qualquer prato salgado em substituição à batata-inglesa, como purê, salada, sopa e bacalhoada. Embora a quantidade de calorias seja maior, a de nutrientes e compostos bioativos também é, exercendo, ao lado dos carboidratos de baixo índice glicêmico, ação antioxidante, desintoxicante, alcalinizante, anti-inflamatória e de combate ao ganho de peso, ao envelhecimento precoce e ao risco de desenvolvimento de doenças crônicas.

Autora: Milena Artifon - estagiária do Curso de Nutrição